Lu Oliveira

Eu não sei até onde eu posso ir com a música. Só sei que quero que ela me leve longe, muito longe. Lu Oliveira

Sobre a Lu

“Que desperdício não ter conhecido Lu Oliveira até hoje”, disse Roberto Menescal ao conhecer o trabalho da cantora que é carioca (de coração), leonina, vascaína e portelense.

Nascida no dia 12 de agosto de 1980, em Niterói, Lu veio ainda bebê para o seu querido e amado Rio de Janeiro, sua fonte inesgotável de inspiração. Suas primeiras lembranças musicais vêm dos fados portugueses cantados por seus avós e tios nos animados almoços de família. Já a influência brasileira veio, principalmente, do disco “Fascinação”, de Elis Regina, tocado diariamente na vitrola de sua mãe. Disco que a arrebatou de tal forma que o canto foi, desde criança, sua grande paixão.

Mesmo respeitando a influência lusitana, foi a música brasileira que ocupou seu coração e seu “walkman”, que tocava do pop à bossa-nova e ao samba. Um violão de presente aos 15, um coral aos 16, uma banda de música sacra aos 17.

E veio a comunicação na PUC, o estágio em agência de propaganda, a contratação como redatora de publicidade e, depois, como assessora de comunicação numa grande empresa. A música permanecia presente em sua vida através de aulas de canto e canjas na Lapa, incentivadas pela professora, cantora e amiga Simone Lial.

Àquela altura, o canto não era apenas uma paixão; era um desejo latente, uma necessidade vital. Enquanto tomava coragem de largar tudo para perseguir seu sonho, Lu Oliveira investiu em novas aulas de canto com a professora e cantora Cecília Spyer, aulas de violão e harmonia com Felipe Eyer e sessões de fonoterapia com Angela de Castro.

Mais preparada e segura, o inevitável finalmente aconteceu: depois de quase 30 anos “desviando” de sua verdadeira vocação, Lu Oliveira larga suas funções de publicitária para se dedicar inteiramente ao canto e aos palcos. Estreia em novembro de 2010 com o show “ABDC do Samba”, interpretando canções de Ary Barroso e Dorival Caymmi, com direção musical e arranjos de Arthur Verocai. Um grande começo que lhe rendeu novos convites profissionais em diversas casas de show cariocas.

Sentindo firmeza para realizar um trabalho mais consistente, que respeitasse seus anseios e seus desejos musicais, Lu Oliveira decide gravar seu primeiro CD e convida o cantor e compositor Zé Renato para produzi-lo. Uma bela e feliz parceria que culminou no belíssimo “Sou Eu”, independente, gravado no final de 2012 no estúdio da Biscoito Fino. O disco contou com 5 arranjadores de primeiro escalão: Cristovão Bastos, Arthur Verocai, Leandro Braga, João Carlos Coutinho e Jaques Morelenbaum, e teve muito boa recepção da crítica especializada.

“Sou Eu” é um disco de música popular brasileira, com predominância do samba, mas que também passeia por outros ritmos, bem brasileiros, como a bossa-nova, ijexá e baião. E seu nome – pinçado da primeira faixa do CD – , resume bem a essência do primeiro trabalho de Lu Oliveira: respeitar sua verdade como intérprete e cantar o que mais ama: a música popular brasileira.

Em seus 5 anos de carreira, Lu já se apresentou em importantes casas de show do Rio de Janeiro, tais como Teatro Rival, Teatro Solar de Botafogo, Centro Municipal de Referência da Música Carioca Arthur da Távola, Teatro Café Pequeno, Rio Scenarium, Bar Semente, Vinicius Bar, Bottle’s Bar e Little Club (no Beco das Garrafas) e, ainda, em algumas casas de São Paulo, como Central das Artes e Traço de União.

Mas isso é apenas o começo. Para uma cantora que esperou tanto tempo pelos palcos, o show, definitivamente, não pode parar.